Aderência ao tratamento da hipertensão em uma unidade básica de saúde

Vera Lúcia Rabello de Castro Halfoun, Denise da Silva Mattos, Ana Laura Barros Laurêdo, Carolina Figueira Selórico, Juliana Montez Ferreira, Merian Paula Santos de Albuquerque

Resumo


Introdução: A hipertensão arterial sistêmica é uma doença de alta prevalência e constitui um importante fator de risco para doenças cardiovasculares. Os atuais modelos de assistência são focados, na sua maioria, no atendimento médico e mostram altas taxas de abandono e de não aderência ao tratamento, principalmente não medicamentoso. Tendo em vista que o modelo de assistência pode influenciar a aderência, foram organizados, em 2001, em uma unidade básica de saúde do Rio de Janeiro, dois modelos de atenção aos hipertensos, sendo um multiprofissional. Objetivos: Com a hipótese de que o tipo de assistência pudesse ser um poderoso fator na manutenção da aderência às medidas gerais nestes pacientes, estudamos a aderência à dieta, exercício físico e terapia medicamentosa dos pacientes no ano de 2001 e 2005. Método: Foi selecionada, aleatoriamente, uma amostra de pacientes atendidos em cada um dos modelos: no multiprofissional, com atendimento em rodízio com médicos, enfermeiras e nutricionistas (grupo A); e, no modelo tradicional, centrado no médico (grupo B). Foram estudados 104 pacientes no grupo A, e 107 no grupo B, através de um questionário previamente validado em português, contendo seis questões, sendo quatro referentes ao tratamento não medicamentoso. O questionário foi lido por pessoa estranha ao estudo ao final do primeiro e do quinto ano de acompanhamento no serviço. Os dados contínuos foram comparados nos dois grupos pelos testes de Student e Mann Whitney e as frequências pelo teste do Qui quadrado. Resultado: Os grupos foram homogêneos quanto à idade e sexo. Em 2001, houve uma diferença significativa entre os grupos, com maior aderência ao tratamento não medicamentoso no grupo A que no B. Porém, em 2005, mais de 90% dos pacientes aderiram ao tratamento medicamentoso, pouco mais da metade, à dieta, e cerca de um terço, aos exercícios físicos em ambos os grupos, não havendo diferença significativa. Conclusão: os resultados sugerem que o modelo assistencial não é suficiente para manutenção prolongada da aderência às medidas gerais no tratamento da hipertensão arterial, verificadas após o primeiro ano de acompanhamento. Outras abordagens devem ser promovidas para influenciar o estilo de vida desta população.


Palavras-chave


Atenção primária à saúde; Estilo de vida; Hipertensão

Texto completo:

PDF