COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL COMO INSTRUMENTO QUE VIABILIZA A QUALIDADE DA CONSULTA DE ENFERMAGEM GINECOLÓGICA

Raimunda Magalhães da Silva, Maria Socorro Pereira Rodrigues, Andrea Gomes Linard, Maria Albertina Rocha Diógenes, Francisco Antonio da Cruz Mendonça, Carla Araujo Bastos Teixeira

Resumo


Estudo descritivo, com abordagem qualitativa, realizado em abril e maio de 2006, em uma unidade de referência em ginecologia do sistema de saúde de Fortaleza-CE, Brasil. O objetivo foi analisar a percepção das enfermeiras e usuárias em relação às ações que favorecem a comunicação eficaz durante a consulta de enfermagem ginecológica. Os dados foram coletados por meio de entrevista semi-estruturada e observação da prática de sete enfermeiras e quarenta usuárias. A análise de conteúdo possibilitou a organização do material empírico em cinco categorias. Na visão das enfermeiras, para se comunicar bem, tem que se fazer entender. Estas procuram conversar, escutar a usuária e utilizam diversas formas de tecnologia na educação e promoção da saúde, facilitando a comunicação interpessoal e a descontração durante a consulta ginecológica. Para as usuárias, o fator tempo é um empecilho no processo de comunicação. Estas apelam para uma assistência humanizada nos modos de produzir saúde. Concluiu-se que a comunicação enfermeira-usuária se faz parcialmente e de forma segura na visão das usuárias, mas a enfermeira necessita aperfeiçoar o relacionamento interativo na prática da consulta.

Palavras-chave


comunicação em saúde; relações interpessoais; promoção da saúde; acolhimento

Texto completo:

PDF