AVALIAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA INFORMATIZADO DE CADASTRAMENTO E ACOMPANHAMENTO DE HIPERTENSOS E DIABÉTICOS (HIPERDIA) NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Ana Cláudia Chazan, Edson Aguilar Perez

Resumo


O número de hipertensos e diabéticos cadastrados no sistema
informatizado de cadastramento e acompanhamento
de hipertensos e diabéticos (HIPERDIA) foi sugerido em
2005, pelo Ministério da Saúde como indicador suplementar
do Pacto de Indicadores da Atenção Básica (Pacto). Como
naquele ano o número de cadastros efetuados no Estado
do Rio de Janeiro (ERJ) estava bem aquém do estimado, foi
encaminhado aos municípios, um questionário para avaliação
do processo local de implementação do HIPERDIA.
Recebemos o retorno de 72/92 (78,3%) questionários, onde
59/72 (82%) afirmaram ter o sistema instalado e 52/59
(88%) referiram a realização do cadastramento de pacientes
e a digitação de dados. Dificuldades no cadastramento
e na digitação foram referidas por 34/52 (65,4%) e por
19/52 (37%) municípios, respectivamente, relacionadas
principalmente ao processo de trabalho das equipes e/ou
a falta de estrutura do Programa de Hipertensão e Diabetes
(HA e DM). A descontinuidade dos investimentos federais
no aprimoramento do HIPERDIA, a rotatividade municipal
dos coordenadores do Programa de HA e DM e dos
responsáveis pelo HIPERDIA, a ausência de treinamento
continuado e dificuldades de interlocução dos municípios
com os técnicos do DATASUS e com a Coordenação estadual
contribuíram para as dificuldades de implementação
do HIPERDIA no estado do Rio de Janeiro.

Palavras-chave


Sistemas de Informação; Hipertensão; Diabetes Mellitus.

Texto completo:

PDF