AVALIAÇÃO DA LINHA DO CUIDADO NO ATENDIMENTO A PACIENTES SINTOMÁTICOS RESPIRATÓRIOS EM UM PROGRAMA DE REFERÊNCIA AO CONTROLE DA TUBERCULOSE NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA - ESPÍRITO SANTO

Heletícia Scabelo Galavote, João Paulo Cola, Rita de Cássia Duarte Lima, Thiago Nascimento do Prado, Léia Damasceno de Aguiar Brotto, Carolina Maia Martins Sales, Túlio Batista Franco, Ethel Leonor Noia Maciel

Resumo


O estudo propõe a avaliação da linha do cuidado, através da ferramenta fluxograma analisador, no atendimento aos pacientes sintomáticos respiratórios em um Programa de Referência para o Controle da Tuberculose (TB) da Unidade Básica de Saúde de Maruípe/Vitória. Trata-se de um estudo exploratório-descritivo com abordagem qualitativa constituído em duas etapas: construção de um fluxograma ideal pautados nas normas técnicas do Ministério da Saúde para fins de análise e, o fluxograma real construído com base nos relatos dos profissionais que trabalham no Programa de Referência. Os dados foram obtidos através de entrevistas semiestruturadas, consolidadas na análise de conteúdo. O fluxograma real estrutura-se em semelhança ao fluxograma ideal no que se refere ao diagnóstico e tratamento. Há uma diferenciação relativa à entrada do usuário no serviço que depende fundamentalmente da autonomia e da iniciativa do paciente, já que não há um vínculo constituído a priori entre a Unidade e a comunidade. A linha do cuidado é atravessada a todo o momento pela lógica das consultas médicas e da produção de procedimentos, que nos remete a um cuidado sustentado na lógica doença-centrada e não usuário-centrada. A descentralização das ações de controle da TB para a Estratégia Saúde da Família (ESF) surge como uma possibilidade de construção de linhas do cuidado efetivas que garantam o acolhimento qualificado assim como um cuidado-cuidador, com a construção de relações de vínculo que podem influenciar de forma exitosa a adesão ao tratamento e a busca ativa de casos novos.

 


Palavras-chave


Tuberculose, Assistência à Saúde, Processo Saúde-Doença, Fluxo de Trabalho.

Texto completo:

PDF