CONCORDÂNCIA DIAGNÓSTICA ENTRE PROFISSIONAIS DOS NÍVEIS PRIMÁRIO E SECUNDÁRIO NA ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL

Mario Sérgio Ribeiro, Marcio José Martins Alves, Priscila Matthiesen e Silva, Eveline Maria de Melo Vieira

Resumo


Introdução: A partir de 1997, iniciou-se, no município de Juiz de Fora - MG, um processo de reformulação do modelo
de assistência à saúde mental até então adotado, com a introdução de ações variadas, definidas de acordo com a complexidade de cada nível assistencial. Objetivo: Avaliar a habilidade dos profissionais de Unidades Básicas de Saúde (UBS) em identificar transtornos mentais e corretamente referenciá-los ao nível secundário segundo critérios estabelecidos
nos Protocolos de Conduta do Sistema Municipal de Saúde Mental de Juiz de Fora (SMSM-JF), comparando os resultados relativos a dois períodos anuais de atendimento.
Método: O desenho utilizado foi de tipo experimento natural, com dados retirados dos prontuários que circulam no SMSM-JF. O índice Kappa foi utilizado para avaliar o nível de concordância diagnóstica entre profissionais das UBS e psiquiatras do nível secundário em dois períodos distintos. Resultados: A hipótese de Transtorno por Uso de Substância Psicoativa foi a que resultou em melhores taxas de concordância (Kappa 75,4% e 81,4%, respectivamente) atingindo o nível excelente no segundo período avaliado. Taxas de concordância mínimas foram observadas para os Transtornos de Humor (Kappa 21,1% e 25,1%). Conclusões:
Os resultados sugerem uma razoável efetividade do sistema integrado e hierarquizado de assistência à saúde mental estudado, com os profissionais das UBS avaliadas reconhecendo e referenciando aos especialistas os transtornos
mentais de maior gravidade.

Texto completo:

PDF