Distribuição espacial dos idosos segundo seus conceitos de qualidade de vida

Marcelo Rocha Magalhães, José Eduardo Corrente, Tânia Ruiz, Ligia Barroso Simões

Resumo


O envelhecimento populacional tem gerado, nesta área, significativos avanços no conhecimento científico. Pesquisando a população de sessenta anos ou mais, de um município de médio porte do interior paulista, após amostragem estratificada das residências e, posteriormente, aleatória dos idosos, estudaram-se os significados de qualidade de vida, segundo as respostas obtidas no questionário à questão aberta: “O que é qualidade de vida para o(a) Sr(a) ?”. De posse das categorias, foi feita uma análise de agrupamentos segundo o método de Ward, que analisa a coincidência das categorias nas respostas dos idosos e permitiu-nos chegar à obtenção de três grupos de respostas. No grupo denominado “Obrigações”, com categorias que valorizavam espiritualidade, trabalho, retidão e caridade, conhecimento e ambientes favoráveis, encontraram-se 88 idosos (24,1%); no grupo “Lazer”, em que se valorizavam hábitos saudáveis, lazer e bens materiais, foram encontrados 145 idosos (39,7%) e, no grupo denominado “Valores Interiores”, com categorias valorizando relacionamentos interpessoais, equilíbrio emocional e boa saúde, foram encontrados 132 idosos (36,2%). Para avaliar a distribuição espacial desses idosos, calculou-se a proporção de idosos de cada grupo de opinião em relação ao total de idosos amostrados por setor. A seguir, converteram-se os dados analógicos em digitais, usando-se, como referência, um mapa do município com as divisões dos setores censitários. A sobreposição do mapa de setores censitários permitiu identificar os idosos por setores. A análise espacial foi do tipo univariada e, a fim de interpretar a distribuição espacial, foi importante conhecer o nível sócioeconômico a que pertenciam os setores estudados. Para isso, utilizou-se como parâmetro de comparação o Índice Paulista de Vulnerabilidade Social (IPVS). Como resultados, obteve-se que setores significativos para o grupo “Obrigações” estavam localizados no centro da cidade, onde se concentram famílias de bom nível sócio-econômico. Já o grupo “Lazer”, dos idosos mais jovens, se associou a bairros periféricos ao centro e a alguns condomínios de bom nível social. O grupo “Valores Interiores”, de maior escolaridade, vivia, essencialmente, em setores da cidade que correspondem a bairros de classe média. A importância de se conhecer o que pensam os idosos de determinados espaços urbanos está na possibilidade de planejamento de ações em que se possa motivá-los à participação social.

Texto completo:

PDF