ATUAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM NOS CUIDADOS COM A HIGIENE BUCAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS EM MONTES CLAROS-MG

Márcia Vieira Muniz Araújo, Maria Aparecida Vieira, Paulo Rogério Ferreti Bonan, Simone de Melo Costa

Resumo


O estudo objetivou identificar a atuação dos profissionais de Enfermagem- Auxiliares e Técnicos – de duas instituições asilares, sediadas em Montes Claros - Minas Gerais, quanto aos cuidados com a higiene bucal dos idosos institucionalizados. Trata-se de uma pesquisa de caráter quantitativo, descritivo e transversal.  Utilizou-se como instrumento para coleta de dados um questionário estruturado aplicado a todos (24) funcionários de Enfermagem vinculados aos Asilos São Vicente de Paula e Associação das Damas de Caridade. O tratamento estatístico envolveu frequências e associações de variáveis (p<0,05). A maioria dos profissionais é do sexo feminino, encontra-se com 30 anos ou mais, com 12 anos ou mais de estudos e tempo de experiência no trabalho de até cinco anos. Trabalham no turno diurno 62,5% dos entrevistados, e em apenas uma instituição – 95,8%. Todos relataram cuidar, diariamente, de 10 ou mais idosos, e 62,5% receberam conhecimentos das técnicas de higiene bucal e das próteses dentárias removíveis durante a formação. Também afirmaram que consideram estas atividades como sendo de competência da Enfermagem – 95,8% – porém 45,8% não as realizam nos idosos. A metade dos entrevistados afirma que recebe orientações do supervisor para realização dos procedimentos. A realização da higienização bucal e das próteses ficou associada ao sexo (p<0,05), sendo que todos os homens (100%) relataram que realizam essa prática, enquanto a maioria das mulheres não a realiza. Concluiu-se que fatores como sobrecarga de trabalho, número excedente de idosos e falta de protocolos de enfermagem de saúde bucal podem contribuir para a não realização da higiene bucal nos idosos.


Palavras-chave


Enfermagem; Idoso; Higiene Bucal

Texto completo:

PDF